Here's a great tip:
Enter your email address and we'll send you our weekly magazine by email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life, week after week. And it's free.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Impresso de pt.chabad.org
Entre em contato
Visit us on Facebook

O Perdão

O Perdão

E-mail

Um rei foi caçar no bosque. Cavalgando atrás de um cervo, penetrou na floresta, e quando olhou à sua volta, viu-se sozinho. Começou a procurar por uma saída no bosque, uma estrada que o conduziria de volta ao seu palácio.

Em sua busca, encontrou alguns camponeses, mas ninguém o reconheceu. Quando dirigiu-se a eles, nem ao menos lhe deram atenção ou se preocuparam com o que estava dizendo.

Vagando pela floresta por um longo tempo, escutou uma bela melodia que alguém tocava numa flauta. Seguindo o som, o rei encontrou um homem que o reconheceu imediatamente, dirigindo-lhe a palavra com humildade e respeito.

O rei viu que ali estava um homem digno, e gostou dele imediatamente.

Quando disse ao homem que esperava encontrar alguém que pudesse tirá-lo do bosque e levá-lo de volta ao palácio e ao seu trono, o homem ficou feliz em fazê-lo, e o rei sentiu-se agradecido a ele. Convidou-o a seu palácio, forneceu-lhe roupas luxuosas e deu-lhe um lugar de honra entre seus conselheiros reais.

O tempo foi passando até que certa vez o amigo desobedeceu ao monarca. Este ficou furioso, e ordenou-lhe que comparecesse à corte real para ser julgado.

Quando chegou o dia do julgamento, o amigo do rei despiu as túnicas, envergando as mesmas roupas simples que usava no primeiro encontro com o rei no bosque. Levou consigo a flauta, e apareceu na corte real de maneira humilde e arrependida. Antes de proceder ao julgamento, o rei perguntou-lhe se queria fazer algum pedido.

"Permita-me, Majestade, tocar uma melodia em minha flauta", solicitou o réu, e seu apelo foi concedido.

Tocou a bela melodia que havia tocado no dia em que encontrara o rei pela primeira vez. O rei lembrava-se bem. Num relance, veio-lhe à mente aquele encontro feliz, quando o estranho havia deixado o rei tão contente, e o levara para fora do bosque, de volta ao palácio. Em seguida, o rei perdoou o amigo e concedeu-lhe novamente sua amizade e uma nova chance.

Da mesma forma, ao se aproximar Rosh Hashaná, quando todos nossos atos serão pesados na balança, podemos nos preocupar sobre qual será o resultado ao sermos julgados por nossas falhas e méritos.

Queremos que D'us seja misericordioso e nos perdoe, não importa qual tenha sido nosso registro no passado. Por isso comparecemos perante Ele da mesma maneira que naquele dia no Sinai, quando a Torá nos foi outorgada e o shofar soou sacudindo nossas almas. Desta forma, D'us se recorda daquele dia e nos concede Seu perdão.

Nosso amor por D'us e Seu amor por nós torna-se mais forte do que nunca. Podemos então ter certeza de que seremos inscritos para um ano bom e doce, com saúde e alegria.

© Copyright, all rights reserved. If you enjoyed this article, we encourage you to distribute it further, provided that you comply with Chabad.org's copyright policy.
E-mail
1000 Caracteres restantes
Envie-me e-mail quando novos comentários forem postados.
DESTAQUE EM PT.CHABAD.ORG