Here's a great tip:
Enter your email address and we'll send you our weekly magazine by email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life, week after week. And it's free.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Impresso de pt.chabad.org
Entre em contato
Visit us on Facebook

Ophshernish

Ophshernish

O Primeiro Corte de Cabelo de um Menino

E-mail

Os judeus tradicionais geralmente esperam um menino completar três anos antes de fazer seu primeiro corte de cabelo. Isso é chamado "Upsherin" - uma palavra iídiche que significa "cortar fora." O costume é primeiramente mencionado em "Sha'ar HaKavonot" por Rabi Chaim Vital, aluno do notável cabalista do século dezesseis, o Arizal.

O terceiro aniversário é uma etapa importante na vida de um menino judeu. É quando ele inicia oficialmente sua educação de Torá, e começa a usar kipá e tsitsit.

Falando em termos de desenvolvimento, três anos de idade é um tempo chave de transição. Cortar o cabelo nesta idade provoca forte impressão emocional na criança. Ele sabe que está avançando rumo a um novo estágio de maturidade, e isso o ajuda a corresponder ao novo papel.

Por que três anos?
A Torá compara a pessoa a uma árvore:

"Uma pessoa é como uma árvore do campo..." (Devarim 20:19).

A idéia de três anos como etapa de transição deriva da mitsvá de Orlá. A Torá diz que se você plantar uma árvore, todos os frutos que crescerem durante os primeiros três anos são "orlá" - fora do alcance (Vayicrá 19:23). Assim como o fruto Orlá está fora de alcance por três anos, assim também deixamos o cabelo de uma criança em paz durante seus primeiros três anos.

Bloqueio espiritual
O termo "Orlá" aparece em três referências diferentes na Torá:

1) Frutos; 2) Brit Milá, e 3) A busca da verdade.

Mas o que significa literalmente a palavra "orlá"? E qual a conexão entre estas três referências?

A primeira referência, em Vayicrá 19:23, é que os frutos que crescem durante os três primeiros anos são classificados de "orlá" e não são comidos. Nachmânides explica que enquanto a árvore ainda é imatura, há um excesso de formação de fluidos nos frutos, o que pode ser prejudicial, caso ingerido. Orlá, como definido por Nachmânides, significa "bloqueado."

A segunda, e talvez mais famosa referência à "orlá," é o prepúcio que é removido durante a circuncisão (Bereshit 17:11). Os comentaristas explicam que aqui, também, orlá refere-se a bloqueio - neste caso, bloqueio espiritual. Um menino judeu não recebe a medida total de sua alma até que a circuncisão seja realizada, e por este motivo a Torá registra a conseqüência de "extirpação espiritual" para qualquer judeu do sexo masculino que não tenha um Brit Milá (Bereshit 17:14).

A terceira referência à "orlá" é quando D'us diz ao povo judeu "para remover a orlá do coração" (Devarim 10:16). Aqui a referência é simbólica; o Todo Poderoso está exortando as pessoas a buscarem a verdade. Fazer isso exige que se remova aquilo que impede a pessoa de enxergar a verdade - "as barreiras do coração."

Portanto, é apropriado que o dia do opshernish do garoto (quando ele simbolicamente deixa a categoria de "orlá" juntamente com seu cabelo) seja também o dia em que ele tradicionalmente inicia sua educação de Torá. Pois o estudo de Torá é a maneira básica de desligar o bloqueio espiritual, e remover as barreiras que impedem a pessoa de enxergar a verdade.

Conforme vai se livrando de seu cabelo, o menino sente que está entrando em uma nova etapa. Este é o dia de remover as barreiras.

Costumes
O terceiro aniversário de um garoto judeu é um evento especial repleto de importância. Para o corte de cabelo em si, é costume que membros da família e amigos dêem uma aparada. O primeiro corte é feito na frente da cabeça, no local onde o menino mais tarde colocará seu tefilin ao se tornar Bar Mitsvá.

Após aparar o cabelo, as pessoas dão ao menino uma bênção para obter sucesso na Torá, e também lhe dão dinheiro, que ele é encorajado a colocar na tsedacá, caixa de caridade. Já ouvi falar também de um costume de se pesar o cabelo do garoto, e então dar o valor equivalente em ouro ou prata para caridade - pelo mérito de que o menino tenha sucesso em Torá.

O primeiro corte de cabelo geralmente deixa o menino com "Peyot" - costeletas. Esta é uma glorificação do mandamento de não cortar o cabelo rente nos lados da cabeça (veja Vayicrá 19:27). As "Peyot" podem ser curtas ou longas, como preferir, desde que não sejam totalmente removidas. Os adultos cumprem esta mitsvá usando costeletas até o meio da orelha.

O dia do opshernish inclui estudar o Alef-Bet, as letras do alfabeto hebraico, com a criança. Uma bela maneira de se fazer isso é conseguir um cartão de plástico com o alfabeto, colocando um pouco de mel sobre cada letra. Deixa-se então a criança lamber o mel enquanto pronuncia cada letra. Isso é para que a Torá seja "doce em sua língua!"

Após três anos, ele agora começa a saborear os doces frutos da "Árvore da Vida."

Também se ensina à criança o versículo: "A Torá nos foi ordenada através de Moshê, uma herança para todo o povo judeu" (Devarim 33:4). Estas são as primeiras palavras que um menino judeu deve ser ensinado a falar, pois isso expressa seu relacionamento único e pessoal com a Torá.

Em Israel, tornou-se um costume fazer o primeiro corte de cabelo de um menino em Lag Baômer, no túmulo de Rebe Shimon Bar Yochai, em Meiron.

1000 Caracteres restantes
Envie-me e-mail quando novos comentários forem postados.
Mais nesta seção
DESTAQUE EM PT.CHABAD.ORG