Here's a great tip:
Enter your email address and we'll send you our weekly magazine by email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life, week after week. And it's free.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Impresso de pt.chabad.org

Uma residência temporária

Uma residência temporária

Adaptado de Likutei Sichot, vol. 1 do Lubavitcher Rebe.

E-mail

A Porção desta semana da Torá, Vayishlach, começa: "E Yaacov enviou anjos antes dele, para saudar Essav, seu irmão." Yaacov confiou aos anjos uma mensagem: "Im Lavan garti – Passei um tempo com Laban." Nestas palavras, Yaacov resumia a atitude que tivera para com Laban, durante seus anos em Charan: "garti – passei um tempo" – i.e., fui apenas um hóspede temporário, e nunca fiquei completamente à vontade.

Para Yaacov, os assuntos mundanos desde mundo eram irrelevantes, afastados de seu verdadeiro eu e de suas preocupações. Na família de Laban Yaacov era como um estranho que estava apenas de passagem. Seu interesse não estava na busca de riqueza ou bens materiais. Ao contrário, o verdadeiro "lar" de Yaacov era no âmbito da alma, no estudo de Torá e no cumprimento das mitsvot (mandamentos). Yaacov só se sentia em casa, realmente à vontade e confortável, quando estava envolvido no serviço de D’us.

A Torá declara: "Ele construiu para si uma casa, e para seu rebanho fez cabanas."

"Para si mesmo" seu verdadeiro eu, Yaacov construiu uma casa – uma moradia permanente. Para seu "rebanho", suas posses materiais, Yaacov fez cabanas – conferindo-lhe apenas importância secundária, como uma sucá que é projetada somente para residência temporária.

Sob esta ótica, podemos entender melhor a explicação de Rashi, o destacado comentarista de Torá, sobre o versículo "Passei algum tempo com Laban": "E cumpri os 613 mandamentos."

Em letras hebraicas, o número 613 é escrito taf, reish, yud gimmel – as mesmas letras que formam a palavra "garti" – hospedei-me. Yaacov estava informando a Essav que apesar de sua prolongada estadia na casa de Laban, ele conseguira cumprir todas as mitsvot da Torá. Como? Relacionando-se com o mundo físico e com Laban como sendo apenas temporários e transitórios.

O Maguid de Mezeritch costumava dizer: "Em casa, é diferente." O lar de uma pessoa é seu castelo; um lar deve conter todas as comodidades da vida. Quando uma pessoa viaja, no entanto, não tem tanta importância se sua habitação temporária é lindamente mobiliada, pois o tempo que passa ali é mínimo.

O povo judeu no exílio está apenas "na estrada". Não estamos ainda em nosso verdadeiro lar, somos mais como estrangeiros numa visita temporária a um país estranho. Toda nossa experiência em exílio é expressa na mensagem de Yaacov a Essav: "garti – Sou apenas um hóspede."

A estrada que percorremos agora é a estrada para a Redenção Final, que, para o judeu, representa a verdadeira vida. Nos Dias de Mashiach, estaremos finalmente "em casa", em nossa moradia permanente, ocupados com nossa verdadeira tarefa de servir a D’us. De fato, ao nos relacionarmos com o mundo físico e seus assuntos tendo isso em mente, apressamos a Redenção, que venha imediatamente.

© Copyright, all rights reserved. If you enjoyed this article, we encourage you to distribute it further, provided that you comply with Chabad.org's copyright policy.
E-mail
1000 Caracteres restantes
Envie-me e-mail quando novos comentários forem postados.
DESTAQUE EM PT.CHABAD.ORG