Here's a great tip:
Enter your email address and we'll send you our weekly magazine by email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life, week after week. And it's free.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Impresso de pt.chabad.org

Bênçãos no Lugar de Maldições

Bênçãos no Lugar de Maldições

"Os que te abençoarem serão abençoados, e os que te amaldiçoarem serão amaldiçoados."

E-mail

Todos nós ouvimos a história - relatada na leitura da Torá desta semana - de como o Rei Balac encarregou Bilam de amaldiçoar os Filhos de Israel, e de como D'us transformou as maldições da boca do profeta em bênçãos. Lemos os versos saindo dos lábios de Bilam, o que inclui adjetivos primorosos jamais ditas sobre o povo judeu. Linda história. Mas o Talmud pergunta: O que Bilam queria dizer? Quais eram as suas maldições que foram transformadas em bênçãos?

Bem, sigamos a lógica do Talmud. Se as maldições foram transformadas em bênçãos, então deveriam ser diametralmente opostas às bênçãos. Se quisermos saber o que Bilam queria dizer, devemos examinar mais detidamente as palavras que ele realmente proferiu.

O que Bilam abençoou?
Que grandes reis surgirão em Israel, estabelecendo uma dinastia que durará por gerações e jamais será quebrada; que Israel será soberana na sua terra para sempre, a maior e mais poderosa na família das nações, a Presença Divina habitando em seu meio, liderando a humanidade em sua busca para conhecer e servir a seu Criador.

Então, o que Bilam queria dizer?
Exatamente o contrário, obviamente: que os reis de Israel cairiam, sua dinastia real seria interrompida, sua soberania teria um fim, a Presença Divina em seu Templo Sagrado partiria, seu poder terminaria, sua liderança empalideceria.

Mas o Talmud não deixa isso assim. Enfatizando este ponto, insiste: então o que aconteceu no final? O Talmud relata que, todos os dias, há um momento em que D'us fica irado. Isto significa que é justamente nesta hora que Ele julga os pecadores. Evidentemente, aquele que é culpado de transgressão, fica mais vulnerável nesta hora. Bilam tinha o dom de saber exatamente quando ocorriam estes momentos. Uma maldição proferida nestes instantes poderia expor sua vítima ao julgamento Divino. Mas durante todos aqueles dias em que Bilam tentou maldizer os judeus, D'us conteve sua ira agindo com muita bondade com o povo judeu.

A Torá não diz "vayicrá" - D'us chamou Bilam. A Torá emprega a palavra "vayicar", significa que D'us "encontrou por casualidade" com Bilam. Também significa que D'us ficou aborrecido por ter de falar com alguém tão impuro como Bilam.

D'us perguntou a Bilam: "Perverso, o que você está fazendo aqui?" "Preparei sete altares com sacrifícios," replicou Bilam, "como presentes a Ti." Bilam esperava o favorecimento de D'us subornando-O com sacrifícios. D'us respondeu: "Prefiro uma colher cheia de farinha oferecida pelos judeus, descendentes de Meu amado Avraham, aos suntuosos sacrifícios daqueles que Eu odeio. Não quero as oferendas de um perverso. Volte para o rei Balac e fale com ele."

Bilam implorou a D'us para que o deixasse amaldiçoar o povo judeu; mas enquanto no seu íntimo formulara uma maldição, D'us enrolou sua língua, forçando-o a pronunciar o oposto do que pensava. Foi como se D'us tivesse posto um freio em sua boca, obrigando-o a dizer apenas o que D'us queria que ele dissesse. Bilam já não podia escolher suas próprias palavras. Balac furioso dirige-se a Bilam: "O que você fez comigo?" - censurou-o. "Eu lhe convoquei para amaldiçoar meus inimigos, e você os abençoa!"

"Não posso fazer nada a esse respeito," replicou Bilam, "pois sou forçado a falar o que D'us coloca em minha boca.”

Em uma nova tentativa, Bilam tenta apelar para seus poderes tentando expor os pecados do povo judeu. Virou sua face em direção ao deserto a fim de lembrar D'us do pecado do bezerro de ouro. Não obstante, ao erguer os olhos, percebeu que a Shechiná pairava sobre as tendas dos israelitas. Soube então que D'us perdoara seu pecado. Bilam desejava lançar um mau olhado sobre os judeus, porém foi forçado a afirmar que esta nação era tão sagrada que seu mau olhado não tinha poder contra eles.

Em honra ao povo judeu, o espírito de profecia penetrou Bilam. D'us forçou-o a pronunciar novas bênçãos.
"[Os judeus são] como os riachos que fluem, como jardins às margens do rio, tão fragrantes quanto os aloés que D'us plantou, como as árvores de cedro à beira da água."

Bilam descreveu poeticamente a grandeza dos judeus, um povo que estuda Torá e cumpre as mitsvot. Os judeus que entram nas Casas de Estudos são comparados aos riachos dos quais a água (Torá) flui, e às plantas nas margens do rio, uma vez que o estudo da Torá purifica como a água. São comparados às belas e fragrantes plantas que produzem frutos, como as que D'us plantou originalmente no Paraíso. Seu estudo eleva-os, do mesmo modo que as árvores de cedro são muito mais altas que outras árvores.
"Os que te abençoarem serão abençoados, e os que te amaldiçoarem serão amaldiçoados."

Balac dirige-se furioso a Bilam após ouvir somente bênçãos, em uma delas enaltecendo as tendas de Israel. "Você já abençoou meus inimigos três vezes," vituperou. " Vejo que D'us não quer que você seja honrado." Bilam respondeu: "Mesmo se me der todo seu dinheiro, devo abençoar os judeus, pois D'us colocou essas bênçãos na minha boca."

Balac convidara Bilam para amaldiçoar os judeus, pois acreditava que estes estavam sujeitos às forças naturais (mazal), como todas as outras nações. Balac era instruído em assuntos práticos; por exemplo, podia determinar exatamente onde alguém deveria postar-se para amaldiçoar enquanto Bilam possuía as chaves interiores, as palavras apropriadas para amaldiçoar. De fato, a perícia de um completava a do outro.Podem ser comparados a um cirurgião e um anatomista, Bilam, podia manejar o bisturi, mas não estava familiarizado com as partes do corpo. O outro (Balac) era como um anatomista que consegue identificar o órgão doente, porém não pode realizar a cirurgia. No entanto, juntos poderiam empreender uma operação. Bilam sabia a hora exata em que uma maldição pode ser efetiva, e Balac sabia o local de onde deveria ser pronunciada. No entanto, nenhuma destas habilidades, mesmo associadas surtiu qualquer efeito, pois o povo judeu está acima de magia e maldições. Ditas pela boca de Bilam: “Como posso amaldiçoar um povo cujo D'us está constantemente em seu meio, e os guarda e protege? ‘O Guardião de Israel não dorme nem dormita’”

Ao terminar de abençoar o povo judeu repetidamente, Bilam terminou essas profundas declarações proféticas levantando-se, pois estava deitado, prostrado, enquanto D'us comunicava-se com ele. O espírito de D'us que imbuiu-Se nele em honra aos judeus partia dele para sempre. Passou o resto de sua vida como um mágico comum.

© Copyright, all rights reserved. If you enjoyed this article, we encourage you to distribute it further, provided that you comply with Chabad.org's copyright policy.
E-mail
1000 Caracteres restantes
Envie-me e-mail quando novos comentários forem postados.
Sort By:
Discussão (7)
31 Agosto, 2014
Emuná, a Fé além da Fé.
Somos iniciantes aos estudos da Torá, porém, temos a convicção de que a cada semana a raiz de David penetra em nossos corações. Nós tomamos posse dessa porção e, como família desta nação, nós também abençoamos Israel.
Ed Brazil07
Alagoinhas
10 Julho, 2014
Parabéns! Não sou judeu, mas sempre soube que esse povo sim ama e respeita a D'us do jeito que tem que ser e do jeito que D"us quer. Viva o povo judeu!
Quem me dera ter nascido Judeu! Ai daquele que não gosta do único e verdadeiro povo de D"us.
Jander Arruda
S. João da Fronteira, PI/Brasil
21 Junho, 2013
Bençãos
Excelente história!!!!! da nação santa de israel que D'us o Rei do universo transformou bençãos em lugar de maldições por amor ao seu povo judeu, Bendito seja!!!!!! Que as pessoas venham a fazer a escolha certa. O bom livro (Torá) diz: "os que te abençoarem serão abençoados e os que te amaldiçoarem serão amaldiçoados."
Wesley Torres Soares
PE/Brasil
15 Julho, 2012
Bençãos ou Maldições
Meu avô dizia: Quando um judeu nasce uma luz surge na Terra. Quando se tira a vida de um judeu, a maldição recai sobre o agente e seus descendentes. Feliz e abençoado aquele que respeita um judeu, a Nação santa, povo escolhido por D'us nesta Terra.
Vera Lucia
S. Paulo, SP/Brasil
5 Julho, 2012
Bilam
Que coisa... podia ter lido mais a Torá que diz que encantamento nunca cairia sobre Israel. A falta de leitura pode fazer um homem fazer muitas coisas erradas.
Iani Brito de Ribamar
Manaus, Brasil
5 Julho, 2012
Bençãos
Excelente! Talvez vale lembrar que na vida nós podemos fazer nossas escolhas e devemos escolher as Bençãos que D'us tem para nós. E melhor ainda, se tivermos dúvida em escolher, D'us é soberano para nos mostrar a Shechiná que nos guarda para sempre! Shalom!
Deocleciano Carvalho da Costa
SP/Brasil
3 Julho, 2011
B'H
È maravilhoso ter certeza que o Criador do cèu e terra, do universo é meu D'us. Israel, os judeus, a menina dos olhos de HaShem, me sinto orgulhosa.Para D'us nada é impossível!
Cordial shalom!
Anônimo
Rio de Janeiro , RJ/Brasil
lubavitchcopacabana.org
DESTAQUE EM PT.CHABAD.ORG